O que são criptomoedas, como funcionam e como investir

Muito é falado sobre as criptomoedas. Para muitos investidores elas são uma revolução, para outros um mero modismo. No entanto, o que não podemos negar é que seu mercado movimenta cada vez mais dinheiro, e existem inclusive, investidores especializados em operar criptomoedas. Todo mundo sabe que existe a possibilidade de obter altos lucros com criptomoedas, mas também é importante saber investir. O que são criptomoedas? Através deste presente artigo iremos responder essa pergunta, bem como explicar como elas funcionam e como seu mercado é movimentado.

O que são criptomoedas

Definição de criptomoedas

Uma criptomoeda é um ativo digital usado como meio de troca por criptografia para proteger transações e controlar a criação de nova moeda. Essas criptomoedas contam com a tecnologia Blockchain, que garante um sistema de proteção inatacável contra essas moedas digitais: por esse motivo, elas são chamadas de criptomoedas. O termo “criptomoeda” é composto de duas palavras: cripto e moeda. Além disso, os pagamentos feitos com criptomoedas são difíceis de rastrear, garantindo o anonimato mesmo para pessoas mal intencionadas. É, portanto, uma moeda “oculta”, no sentido de que é visível/utilizável apenas pelo conhecimento de um código de computador específico.

As criptomoedas não apenas mudaram a maneira como o dinheiro se move, mas também abriram um mundo volátil de oportunidades inimagináveis de negociação e investimento. As criptomoedas estão sendo cada vez mais utilizadas por empresas em todo o mundo, no quesito pagamento online. Além do mais tem sido uma das formas de investimentos mais atraentes para jovens em todo o mundo. Não é possível encontrar bitcoins em circulação em papel ou formato metálico. Sua emissão depende apenas de algoritmos precisos e cálculos matemáticos realizados continuamente por milhões de computadores espalhados

A primeira criptomoedas: Bitcoin

A Bitcoin é certamente a criptomoeda mais conhecida no mundo em função de ter sido a primeira a ser criada, em 2008. As criptomoedas nasceram na internet há muitos anos e não estão de forma alguma conectadas a nenhuma outra moeda existente em nosso planeta. Bitcoin é uma moeda virtual baseada na tecnologia peer to peer. A criptomoeda serviu de inspiração para boa parte das criptomoedas que surgiram, desde  as primeiras, até as moedas digitais da última geração. A rede na qual as transações ocorrem é conhecida como Bitcoin. Hoje  Bitcoin conta não somente com a moeda em si, mas com outros produtos, como uma plataforma e o Bitcoin Cash.

A letra inicial é essencial para distinguir a rede da própria moeda. Aliás, é a letra “B” a responsável pelo destaque em seu logo que ficou mundialmente conhecido. O sistema foi projetado para garantir a segurança de transações individuais e o anonimato de quem as realiza.  A Bitcoin, por se tratar de uma moeda mais antiga, mesmo com as atualizações, é alvo de críticas, já que o mercado de criptomoedas definição está cada vez mais competitivo, em função das novas criptomoedas que vem sendo lançadas. Para concretizar as transações, é necessário ter chaves específicas. Mas nem sempre a Bitcoin foi exatamente do que jeito que e hoje, já que muitos ajustes foram realizados ao longo de mais de dez anos de existência.

Os mencionados, que podem ser públicos e privados, são usados ​​para assinar transações digitalmente e identificar destinatários. Boa parte das criptomoedas tem um número “limitado” de dinheiro que pode ser “produzido”. Para Bitcoin, por exemplo, é 21 milhões. Todas as transações ocorrem online, mas gradualmente elas também estão se tornando um meio de pagamento em lojas físicas ou uma ferramenta para trocar e sacar dinheiro

O que é preciso para operar com Bitcoins?

Para operar no mundo das bitcoins, é necessário ter uma carteira, ou seja, um software que permita a entrada na rede.  Apesar de ser a moeda mais antiga, Bitcoin conta com um sistema rápido e ágil. Os processos são muito simples e acima de tudo seguros. A rede, de fato, é garantida pelo sistema de criptografia SHA256. Até agora, ninguém conseguiu violar suas proteções criptográficas. Além do mais,em razão de ser a moeda pioneira, a Bitcoin já passou por diversas análises e é tema frequente em blogs técnicos, por essa razão é super fácil encontrar informações sobre todos os seus processos. O processo de cunhagem da  Bitcoin, por exemplo, ocorre a cada dez minutos pelos dispositivos conectados à rede.

Logicamente que um computador simples muitas vezes não vai dar conta do processo de cunhagem da moeda digital. De fato, é necessário um considerável poder computacional do dispositivo. Aliás,este assunto também é motivo de críticas e debates em fóruns do tema, já que hoje em dia é possível encontrar no mercado criptomoedas que podem ser operadas com computadores mais comuns, facilitando assim a vida do trader iniciante ou com pouco poder de investimento inicial. É por isso que recomendamos olhar para o mundo dos investimentos e tentar ganhar graças aos CFDs, que analisaremos juntos em breve.

Ainda sim, investir em bitcoin, apesar da volatilidade, pode ser muito benéfico. Porque para comprar Bitcoin, você precisa usar trocas de criptomoedas. Estamos falando de uma das criptomoedas mais estáveis do mercado atual. A maneira mais fácil de negociar em uma criptomoeda, por exemplo, no Bitcoin, é comprar Bitcoin quando o preço é baixo e vendê-lo quando o preço aumenta. A diferença entre o preço de compra e o preço de venda é o lucro da negociação.

Como operar com segurança

Existem alguns passos que podem dar mais segurança aos traders na hora de operar com Bitcoins. Por exemplo, para evitar riscos e atrasos burocráticos, no entanto, é apropriado não comprá-los diretamente. Não existe um sistema central, o que gera algumas dificuldades quanto à segurança. Aliás, esta é uma das causas das discussões da comunidade Bitcoin.O fato é que, questões críticas relacionadas à falta de um sistema de controle central existem. As transações de bitcoin são verificadas por mineradoras e computadores de alta potência.

O dinheiro digital

Como funcionam as criptomoedas? A criptomoeda não existe na forma física, mas é gerada e trocada exclusivamente eletronicamente. O termo criptomoeda é composto de duas palavras: criptografia e moeda. E toda essa fácil acessibilidade facilita ainda mais a entrada de novos interessados neste mercado em fomento. As  moedas digitais, portanto, virtuais, são criptografadas atrás de um código que é conhecido apenas pelo sistema em que eles são criados: o Blockchain. Por trás disso, há atividades comerciais intensas: como funcionam como dinheiro, elas têm um valor particular no setor financeiro e também no mercado de ações, onde muitas pessoas investem dinheiro e compartilham nelas.

Alguns conceitos tradicionalmente usados ​​para moedas com curso legal, como o de carteira, também foram adaptados ao contexto de moedas virtuais, onde falamos de ‘carteira digital ou eletrônica, no entanto são mera figura de linguagem para facilitar o entendimento no mundo das negociações de criptomoedas. Estamos falando de ferramentas digitais de código aberto que vão além do conceito tradicional de dinheiro de propriedade dos governos. Um adendo que devemos fazer é que, existam criptomoedas que conseguem ocultar o valor do remetente, destinatário e transação, bem como de terceiros que fazem parte do Blockchain como o NEM e o Monero.

Quando um trader menciona estar investindo em criptomoedas, na maioria das vezes esses investimentos são realizados de forma cem por cento online. Para todos os efeitos, uma criptomoeda representa dinheiro virtual, que não podemos tocar, mas que baseia sua operação nos princípios da criptografia. As criptomoedas fazem parte de mercados financeiros altamente voláteis e, através do Trading, é possível negociá-las 24 horas por dia, todos os dias da semana. O envio e recebimento de criptomoedas ocorre gratuitamente e com custos de processamento muito baixos.

Como acontecem as negociações com criptomoedas

O primeiro passo para investir com sucesso em criptomoedas é evitar fraudes, que infelizmente existem: não é difícil, basta operar exclusivamente com plataformas de investimento autorizadas e regulamentadas. A criptomoeda, onde existe consentimento entre os participantes da transação relacionada, pode ser trocada no modo ponto a ponto (ou seja, entre dois dispositivos diretamente, sem a necessidade de intermediários) para comprar bens e serviços. Além de muito simples e intuitivas, essas plataformas também são seguras porque estão sujeitas a verificações.

Portanto o primeiro passo é buscar uma plataforma segura, isenta de fraudes, que não exponha o seu dinheiro a riscos. As informações subjacentes às transações de criptomoeda são armazenadas e transmitidas, mas apenas os destinatários das transações podem lê-las. Embora o sistema subjacente ao funcionamento das moedas digitais não seja imediatamente compreensível, precisamos destacar que o fato de que, na vida cotidiana, o uso de “moedas virtuais” além de ter se tornado tão comum, também é acima de tudo simples e rápido, conforme evidenciado pelo número de pessoas que usam “moedas virtuais” como forma de economizar ou fazer compras.

As criptomoedas realmente agilização o universo dos pagamentos online. Além do mais, muitas criptomoedas conseguem garantir um alto nível de anonimato nas trocas que ocorrem entre os usuários, também para compras e vendas. Este anonimato pode ser vantajoso ou desvantajoso, a depender do interesse do trader. Para entender o que são criptomoedas, mas acima de tudo, precisamos imaginá-las como ferramentas ricas em dados para decodificar.

Diferença entre moedas legais e as criptomoedas

As criptomoedas foram desenvolvidas sem ter qualquer ligação com as moedas “tradicionais” como o dólar, Euro e etc. Ainda que as moedas digitais também sirvam para pagamentos como no caso das moedas físicas, existem diversas diferenças entre ambas. As moedas virtuais são muitas das vezes muito mais do que meros ativos, são plataformas onde uma variedade de transações podem ser executadas. Moedas como o real, a libra os diferentes tipos de pesos e etc…por exemplo, são moedas legais, ou seja, são emitidas sempre por um Banco Central, que garante a estabilidade e o valor da própria moeda.

Além do fato de uma existir fisicamente, e a outra não, enquanto as transações com moedas tradicionais são muito mais fáceis de serem rastreadas, em razão de toda estrutura legalizada que a mesma necessita, as moedas digitais são muito mais discretas, podem agir em completo segredo em alguns casos. Mesmo as criptomoedas mais famosas costumam ter sistemas anti-rastreamento para garantir o anonimato nas transações comerciais. As criptomoedas geralmente são compostas por esses elementos: um protocolo, um livro mestre e uma rede de participantes.

Moedas legais versus moedas digitais

Logicamente ainda existem muitas coisas que devem acontecer para que as criptomoedas sejam tão bem aceitas como as moedas tradicionais. Normalmente, pagamos com uma moeda legal como o euro, porque geralmente é aceita para a aquisição de bens e serviços. As criptomoedas, por serem ainda um grande mistério para boa parte das pessoas, além de ser um ativo arriscado não possui a mesma adesão. Pelo contrário, as criptomoedas ainda não desfrutam dessa difusão e dificilmente são aceitas para transações diárias. Além do mais, eventos como invasão de códigos que colocaram a segurança do valor do ativo a perder também desmotivam os investidores que preferem depositar seus fundos em ativos mais seguros.

Além disso, devido à alta volatilidade e, portanto, às flutuações a que estão sujeitas, precisamente devido à ausência de um órgão regulador como o Banco Central, elas não são tão eficientes. Para termos uma noção as criptomoedas possui mais volatilidade do que as moedas exóticas legais. Esta  instabilidade embora utilizada por muitos traders, não agrada a todos.

As criptomoedas são seguras?

Sempre que pensamos em investimentos, a nossa prioridade deve ser no que diz respeito a segurança. Existem diversos tipos de criptomoedas, como veremos mais adiante. Mas, como se dá a segurança de seus códigos? A segurança das criptomoedas se deve basicamente à dificuldade de encontrar os bugs nos conjuntos de hash, uma tarefa executada pelos “mineiros”. Muitos especialistas sugerem que, mesmo no caso (absolutamente improvável) em que ocorreu o ataque de 51%, os outros detentores de criptomoedas poderiam simplesmente fazer um garfo rígido, ou seja, criar outra criptomoeda e, portanto, escapar do ataque.

Na prática, a criptografia protege a segurança das transações e, portanto, garante a posse de criptomoedas.  As criptomoedas geralmente são usadas para comprar bens e serviços online. Alguns traders defendem que em razão da alta instabilidade congênita, as criptomoedas não nasceram para fazer investimentos, mas para tentar contornar os bancos tradicionais e criar um circuito alternativo para a circulação de dinheiro.

O problema é que muitos golpistas aproveitaram a fama das moedas virtuais para atrair investidores mais ingênuos para golpes. Então o fato é que costumam acontecer muito mais golpes, por parte de pessoas más intencionadas, do que invasões a códigos, por exemplo. Uma situação imaginária (pouco improvável) em que um único minerador pouco mais de metade da energia total de mineração. Nesse caso, o mineiro pode alterar a blockchain e comprometer a segurança das transações, por exemplo, alterando os valores ou atribuindo criptomoedas que ele não possui. A criptografia é usada para proteger transações e controlar a criação de novas moedas.

É, no entanto, uma especulação puramente teórica, pois absolutamente ninguém é capaz de controlar mais da metade da rede de mineração das criptomoedas mais populares. A única maneira de investir em criptomoedas com segurança é usar plataformas autorizadas e regulamentadas: essas plataformas são controladas pelas autoridades internacionais de supervisão financeira e, portanto, garantem padrões de segurança muito altos, idênticos aos oferecidos pelo sistema de bancos, por exemplo.

Os principais elementos que compõem uma criptomoeda

As moedas digitais geralmente são formadas por um protocolo, um livro mestre e uma rede de participantes. O protocolo é o conjunto de regras que os usuários devem respeitar para realizar transações. Logicamente que cada plataforma irá possuir suas próprias peculiaridades .No livro razão, por exemplo, são mantidas todas as transações que ocorreram, que dessa maneira podem ser rastreadas e verificadas. Este livro, por consequência, guarda informações preciosas, já que trata-se do histórico da criptomoeda.

As criptomoedas mais populares

Você já deve ter ouvido falar na Bitcoin, essa certamente é a criptomoeda mais conhecida, e também mais antiga, criada em 2009. No entanto, existem outras criptomoedas populares, como por exemplo: a Ethereum, a Ripple, Monero, Litecoin, Stellar Lumens e muitas outras. A seguir destacamos duas destas, com suas principais características:

  • Bitcoin: O Bitcoin se tornou a primeira criptomoeda descentralizada, criada por Satoshi Nakamoto em 2008. Está sem sombra de dúvidas foi uma criação pioneira, já que a partir da mesma, muitas outras foram criadas. Já no ano de criação da BItcoin, houve uma proliferação de criptomoedas, as chamadas altcoins ou criptomoedas emergentes, um grande conjunto de alternativas ao Bitcoin. Os preços de criptomoedas já variaram valores exorbitantes, para termos uma idéia, uma única Bitcoin já chegou a valer cerca de mil dólares no mercado. No caso da Bitcoin em específico, existe um limite máximo de Bitcoin, que é de cerca de 21 milhões e isso quer dizer que  é muito difícil ocorrer uma alteração no valor das Bitcoins atuais.
  • Ethereum:  A Ethereum foi criada em 2015 e tem sido amplamente apontada como uma das criptomoedas mais promissoras do momento. Se analisarmos o histórico de criptomoedas que foram desenvolvidas ao longo dos últimos dez anos, veremos a que a Ethereum tem tudo para manter seu sucesso. Foi desenvolvida com linguagens de programação como: Rust; Python; Go; C++; JavaScript, Java, Solidity, Node.js e combina segurança e tecnologia. Uma das vantagens é o Blockchain moderno da Ethereum, que assim como na maioria das criptomoedas é um conjunto de blocos interligados: cada bloco é identificado por um código, contém as informações de uma série de transações e o código do bloco anterior, para que seja possível refazer a cadeia para trás, até o bloco original.

Mineração de criptomoedas

Talvez você tenha lido o termo “mineração” e está buscando entender qual é o seu significado no mundo das moedas digitais. A mineração de criptomoedas nada mais é do que a etapa de adicionar os registros, isto é, o histórico de operações ao Blockchain, que é uma espécie de “livro razão”, formado por blocos de registro, como citamos anteriormente. Quando os registros são efetuados, todas as transações são confirmadas para que a rede fique ciente. Essa etapa fomenta as transações originais realizadas pela criptomoeda de fato, e minimiza riscos de tentativas de reusos da moeda em questão.

O futuro das criptomoedas

A cada ano é possível ter notícia acerca da criação de uma nova criptomoeda. Mas o que esperar do mercado de criptomoedas? As investidor mais tradicionais ainda não acreditam tanto no potencial das criptomoedas, alguns afirmam que as mesmas não passam de um modismo do momento. No entanto, já fazem 12 anos desde a criação da primeira criptomoeda, a Bitcoin, e podemos concluir assim, que este fenómeno não se trata de apenas um modismo. Aliás, é impossível ficarmos avessos aos enormes avanços tecnológicos que vem acontecendo no universo comercial. Cada vez mais pessoas tem comprado online, ao invé sde ter que sair de casa em busca de uma mercadoria.

A correria do dia a dia no mundo moderno fez com as pessoas busquem por comodidade, pro otimização de tempo, e neste contexto é que as criptomoedas entram. Portanto, existem grandes oportunidades de negócios e também é provável que no futuro elas se tornem uma alternativa válida para compras on-line cada vez mais consolidada. Podemos dizer que nos últimos dez anos, as moedas digitais conquistaram um grande mercado, adeptos em todo o mundo, e que este percurso até aqui é só o começo. No entanto, o ativo também possui suas controvérsias. Embora as criptomoedas sejam usadas para comprar bens comuns, elas também são investidas para fins mais obscuros. Este fator pode ser motivo de preocupação.

Como mencionado anteriormente, as compras por meio de criptomoedas são garantidas pelo anonimato e, portanto, você não pode conhecer o remetente ou o destinatário. Não sabemos até que ponto esse anônimo pode contribuir ou prejudicar o futuro das moedas digitais. Queremos que as criptomoedas sejam reconhecidas como uma moeda alternativa, elas precisam passar por um processo de otimização muito profundo.